Bitcoin continua a salire, invalidando numerose divergenze

  • La Bitcoin si sta avvicinando alla resistenza a lungo termine a 16.120 dollari.
  • Il prezzo è ancora scambiato all’interno di un canale parallelo ascendente.
  • BTC ha probabilmente iniziato l’ondata 5 di un impulso rialzista.
  • Volete saperne di più? Unisciti al nostro Telegram Group e ricevi segnali di trading, un corso di trading gratuito e comunicazioni giornaliere con gli appassionati di crypto!

Il prezzo Bitcoin (BTC) ha continuato la sua ascesa creando un’altra candela rialzista il 4 novembre.

Il movimento ha invalidato numerose divergenze ribassiste, e il prezzo sembra mirare a un livello di resistenza a lungo termine.

L’aumento continuo di Bitcoin

Ieri il prezzo della BTC ha creato un altro candeliere rialzista e ha ripreso il suo movimento al rialzo, raggiungendo finora un top locale a 14.560 dollari.

Nonostante la divergenza ribassista che si sta sviluppando nella RSI, che si trova in territorio di ipercomprato, né il MACD né l’oscillatore stocastico mostrano segni di debolezza. Questo indica che si prevede che lo slancio rialzista continuerà.

Il livello di resistenza più vicino si trova vicino a $16.120, che è il livello di 0,786 Fib di tutto il precedente movimento verso il basso (dall’alto del dicembre 2017).

Gli indicatori tecnici settimanali non danno chiari segnali di debolezza, pertanto si prevede che il prezzo continuerà a muoversi verso l’alto a medio e lungo termine.

Movimento attuale

Nonostante il continuo aumento, il prezzo non è ancora riuscito a superare il canale parallelo ascendente in vigore dal 28 ottobre. Se BTC riuscisse ad uscire al di sopra di questo canale, il movimento verso l’alto sarebbe probabilmente ripido.

Analogamente alle scadenze settimanali e giornaliere, non è visibile una chiara debolezza. Nonostante questo, un rifiuto dalla linea di resistenza del canale potrebbe causare un calo a breve termine verso il centro del canale vicino ai 14.000 dollari.

Conteggio delle onde

Per quanto riguarda il conteggio delle onde, è probabile che BTC abbia appena completato l’onda 4 (mostrata in arancione sotto) di un impulso iniziato il 7 settembre. Se questo è corretto, allora Bitcoin sembra aver iniziato l’onda 5 ieri.

Il bersaglio più probabile per la parte superiore dell’onda 5 si trova tra i 16.000 e i 16.300 dollari. Questo intervallo è stato trovato utilizzando le estensioni in fibra delle onde 1 e 3 e proiettando la lunghezza delle onde 1-3 verso il fondo dell’onda 4. Questo si adatta anche all’area di resistenza a lungo termine precedentemente delineata.

L’invalidazione di questo scenario si verificherebbe se la BTC scendesse al di sotto del minimo dell’onda 4 di 13.520 dollari. Questo non invaliderebbe l’intera formazione rialzista di per sé, ma piuttosto suggerirebbe che l’onda 4 non è ancora terminata. Gli obiettivi per l’ondata 5 rimarrebbero comunque gli stessi.

Conclusione

Per concludere, mentre potrebbero verificarsi diminuzioni a breve termine, il prezzo del Bitcoin dovrebbe alla fine raggiungere la prossima area di resistenza vicino ai 16.100 dollari.

Disclaimer: Il trading di Cryptocurrency comporta un alto livello di rischio e potrebbe non essere adatto a tutti gli investitori. Le opinioni espresse in questo articolo non riflettono quelle di BeInCrypto.

Tensão EUA-China: fragilidade da economia dos EUA responsável pelo aumento do preço BTC?

Os analistas têm especulado que a tensão EUA-China é crucial para o aumento do preço do Bitcoin Trader.

Com a tensão entre os EUA e a China não procurando diminuir em breve, a economia dos Estados Unidos (EUA) está gradualmente sucumbindo a seus efeitos.

Com o fato conhecido de que a guerra comercial está dando ao Bitcoin uma vantagem, os especialistas também posicionaram que a China poderia olhar para o Bitcoin como uma vantagem para escapar dos efeitos das sanções dos EUA.

Além disso, os especialistas analisaram criticamente a perspectiva do Yuan digital e observaram que os EUA poderiam ser pressionados a desenvolver seu dólar digital.

Bitcoin desfrutando dos benefícios da tensão EUA-China

Se as coisas acabarem por seguir este caminho, isso traria um crescimento na popularidade dos ativos digitais, o que levaria a uma adoção elevada. Alguns especialistas observaram que a única coisa que pode beneficiar o mercado de ativos digitais é o declínio da economia americana e não o desenvolvimento de um dólar digital.

Se seus comentários forem pensados cuidadosamente, então a tensão EUA-China é apenas um sinal de que a economia dos EUA está diminuindo gradualmente. Bitcoin recentemente começou a desfrutar de um aumento de preços em 25 de julho depois de ter se movimentado lateralmente nos meses anteriores.

Atualmente, o preço do BTC está negociando em torno de US$ 11.000, e está chegando semanas depois que Trump anunciou a proibição do TikTok em meio a outras coisas, incluindo o fechamento de seus respectivos consulados.

A China sofre com a tensão EUA-China

Fazendo uma análise crítica das coisas, pode-se concluir que as tensões crescentes entre os EUA e a China podem significar efeitos que vão muito além do aumento do preço do Bitcoin.

Outro efeito crítico pode ser o movimento da maioria dos mineiros para longe da China, que, de acordo com os registros, ostenta 65% dos poderes do haxixe Bitcoin.

Dando sua opinião sobre a contínua tensão entre os EUA e a China, BitOoda, um grupo financeiro digital, disse que a fraca relação entre os dois países resultou em sanções que reduziram drasticamente as quotas de mercado da China.

Um aumento do nacionalismo monetário poderia ser outro efeito adverso da tensão entre os EUA e a China. Isto pode significar bom ou mau para Bitcoin, dependendo do lado em que você estiver.

Uma palavra sobre o nacionalismo monetário

A doutrina do nacionalismo monetário afirma que a participação do país na oferta mundial de dinheiro não deve ser deixada para ser determinada pelos mesmos princípios e o mesmo mecanismo que determinam as quantidades relativas de dinheiro em suas diferentes regiões ou localidades.

Esta doutrina é praticada pela China e outros regimes de nacionalismo monetário quando a esfera de circulação de uma moeda é coesa com as fronteiras da nação cujo banco central a emite.